quarta-feira, 15 de julho de 2020

Publ. avulsas conserv. ecossistemas, 34:1-18 (jun. 2020)

CASTRO, Antonio Alberto Jorge Farias. Mata atlântica no Piauí: isto é ou não é uma "fake news"? Publ. avulsas conserv. ecossistemas  , Teresina, n. 34, p. 1-18, jun./2020. (Série: Texto para Discussão). ISSN 1809-0109.

Publ. avulsas conserv. ecossistemas,

34:1-18 (jun. 2020)

RESUMO
Due to the latest discussions on "social media" and in the news about the meaning, limits and contents of "fake news", in Brazil as well in all world about a lot of issues, such as health, economics and policy, etc. We enjoy the opportunity to bring up the controversial and still unnecessary question about the existence of the Atlantic Forest in the state of Piauí. Considering that there only have two biomes with representation in all its territory: Cerrado and Caatinga, also that the collections of botanical material collected since the 1970s in some fragments of forests, do not support the hypothesis of the presence of the domain floristic of the "Atlantic Forest" and/or some floristic province of the Brazilian "Atlantic Forest". Instead, these studies have been showing the absence of exclusive species and/or endemic species directly associated from this type of vegetation. Besides, when species from the Brazilian Atlantic Forest appear in Piauí, they also occur in the Cerrado, in the Caatinga, in the Amazon, simultaneously, in at least two of these types of vegetation.

ABSTRACT
Em função das últimas discussões nas "redes sociais" e nos noticiários sobre o significado, limites e conteúdos das "fake news", isto é, das "notícias falsas" no Brasil e no exterior sobre vários assuntos na saúde, na economia e na política etc. em vários tipos de mídias, aproveitou-se para resgatar e ressignificar a questão polêmica, a priori desnecessária, sobre se existe ou não Mata Atlântica no Piauí, considerando que somente temos dois biomas com representação no território piauiense: o Cerrado e a Caatinga, e que as coletas de material botânico até agora realizadas em alguns remanescentes de "florestas", desde a década de 70, não sustentam a ideia da existência do domínio florístico da "Mata Atlântica" e/ou de alguma província florística da "Mata Atlântica" brasileira, em função da ausência de espécies exclusivas e/ou de espécies endêmicas diretamente associadas, isto é, "marcadoras". Quando aparecem espécies da Mata Atlântica brasileira no Piauí, as mesmas também ocorrem no Cerrado, na Caatinga, na Amazônia, simultaneamente, em pelo menos dois desses tipos de vegetação.

Publ. avulsas conserv. ecossistemas, 33:1-177 (mai. 2016)

CASTRO, Antonio Alberto Jorge Farias. Memorial: fragmentos da história (1979-2014) e reflexão sobre uma trajetória profissional de pesquisa, ensino e extensão docentes. Publ. avulsas conserv. ecossistemas  , Teresina, n. 33, p. 1-177, mai./2016. (Série: Texto para Discussão). ISSN 1809-0109.


RESUMO
No âmbito do Processo 23111.008253/2016-45 postulei o meu pedido de progressão funcional para Professor Titular da Universidade Federal do Piauí considerando a oportunidade, meus direitos de servidor público federal e a legislação atual. Este memorial é descritivo por causa da sua orientação, inclusivo por causa da sua abrangência (35 anos) e contextualizado por conta da inserção de alguns ensaios de reflexão crítica que incorpora. Aborda fragmentos da história (1979-2014) e a reflexão de grande parte da minha trajetória profissional docente no Piauí, da mesma forma, que testemunha alguns aspectos da própria história do Departamento de Biologia. Sua análise foi baseada em ampla documentação colecionada nas pastas que eu denominei de 'curriculum vitae', ao longo do tempo, e juntada àquele Processo com o propósito de ser analisado pelos meus pares, quanto às posturas que tenho assumido enquanto professor universitário na Academia. Adotei os modelos utilizados e disponibilizados na "web" sob a inspiração, entretanto, da metodologia tradicional do 'método científico' nas ciências naturais, que inclui a indicação dos 'objetivos' e a discussão desde a formulação da 'questão norteadora' até a elaboração da 'hipótese de chegada' ao final do processo. Apesar de um memorial diferenciado, acredita-se que o seu modelo, aqui assumido, possa ser estendido para outras avaliações e oportunidades.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Publ. avulsas conserv. ecossistemas, 32:1-82 (dez. 2014)

CASTRO, Antonio Alberto Jorge Farias; FARIAS, Ruth Raquel Soares de; SOUSA, Samara Raquel de; CASTRO, Nívea Maria Carneiro Farias; BARROS, José Sidiney; LOPES, Raimundo Nonato Lopes. Caracterização florística e estrutura da comunidade arbórea de um remanescente de floresta estacional, municípios de Manoel Emídio e Alvorada do Gurguéia, Piauí, Brasil. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n. 32, p. 1-82, dez./2014. (Série: Relatórios). ISSN 1809-0109.
DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n32p1-82.

Publ. avulsas conserv. ecossistemas,
32:1-82 (dez. 2014)

RESUMO
A pesquisa se refere ao diagnóstico da cobertura vegetal da Fazenda Novo Mundo e entorno com o intuito de proporcionar um prognóstico da flora e fitossociologia regionais, associado às condições ambientais prevalecentes nos municípios de Manoel Emídio e Alvorada do Gurguéia. Trata se, na região da Fazenda, de uma Floresta Estacional de Transição, com uma parte decidual e, outra, menos seca, semidecidual, que poderia estar vinculada a vários Biomas brasileiros, tais como o bioma Cerrado, ou o bioma Caatinga, ou mesmo aos biomas Amazônico e/ou de Mata Atlântica. Um total de 17 (dezessete) parcelas de 20x30 m (600 m²) foi alocado, perfazendo 1,02 hectares de área amostrada. Na amostragem do componente lenhoso, todos os indivíduos vivos com diâmetro do caule ao nível do solo (DCNS)≥3 cm foram computados no interior das áreas das parcelas. Fora das parcelas bem como no interior das mesmas, todas as espécies (lenhosas e herbáceas) com oferta de material reprodutivo foram coletadas pelo Método de Coletas Preferenciais (MCP). Realizou-se uma comparação com inventários realizados em Florestas Estacionais do Piauí, na qual observou-se a semelhança entre todas, dispostas de modo separado (floresta por floresta), ou em conjunto, apesar dos altos níveis de heterogeneidade florística, principalmente no que diz respeito ao distanciamento que as mesmas têm do Domínio e do Bioma da Mata Atlântica brasileira. No nosso caso, todas as nossas florestas são de Transição. Em geral incluem espécies do Cerrado e da Caatinga. Quando incluem espécies da Amazônia e/ou da Mata Atlântica, as mesmas são de ampla distribuição, portanto, não endêmicas. Trata-se de espécies que ocorrem na Mata Atlântica, mas que também ocorrem em outros domínios florísticos e vegetacionais.
Palavras-chave: Mata Atlântica. Bioma. Domínio. Fitossociologia. Endemismo.

Publ. avulsas conserv. ecossistemas, 31:1-23 (nov. 2014)

FARIAS, Ruth Raquel Soares de; CASTRO, Antonio Alberto Jorge Farias; LOIOLA, Maria Iracema Bezerra; CHAVES, Mariana Helena; PEREIRA, Erika Thalyta Veras. Botânica (aspectos morfológicos) e distribuição geográfica de três espécies de Combretaceae nos cerrados do Piauí, nordeste do Brasil. Publ. avulsas conserv. ecossistemas  , Teresina, n. 31, p. 1-23, nov./2014. (Série: Publicações Prévias). ISSN 1809-0109.
DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n32p1-23.

RESUMO
[Botânica (Aspectos Morfológicos) e Distribuição Geográfica de Três Espécies de Combretaceae nos Cerrados do Piauí, Nordeste do Brasil]. A família Combretaceae possui distribuição predominantemente pantropical, incluindo cerca de 20 gêneros e 400 a 500 espécies. No Brasil ocorrem seis gêneros e aproximadamente 60 espécies. Os dois gêneros de maior ocorrência para esta família são Combretum e Terminalia, nativos para o Brasil. O objetivo deste trabalho foi apresentar as principais características morfológicas das espécies Combretum duarteanum, C. mellifluum e Terminalia actinophylla para reconhecimento por profissionais de áreas afins e sua distribuição no estado do Piauí. A caracterização ocorreu com auxílio de bibliografia especializada e observações do material coletado e no campo. A distribuição geográfica e a interpretação fitossociológica foram realizadas a partir do Banco de Dados FLORACENE, que possui cerca de 80 inventários realizados no Estado. Como resultados obteve-se a construção de chave analítica, descrições da família e dos gêneros, interpretação fitossociológica com base em alguns dados de abundância, elaboração do mapa de distribuição das espécies e apresentação de um glossário dirigido. 
Palavras-chave: Combretum duarteanum. Combretum mellifluum. Terminalia actinophylla. Cerrados setentrionais e meridionais.

ABSTRACT
[Botany (Morphological Aspects) and Geographical Distribution of Three Combretaceae Species in the Cerrado of Piauí, Northeast Brazil]. The Combretaceae family has predominantly pantropical distribution, including about 20 genera and 400-500 species. In Brazil there are six genera and about 60 species. The two most frequent genera for this family are Combretum and Terminalia, native to Brazil. The objective of this study was to present the main morphological characteristics of the species Combretum duarteanum, C. mellifluum and Terminalia actinophylla for recognition by professionals in related fields and their distribution in the state of Piauí. Characterization took place with the help of professional literature and observations of the material collected and in the field. The geographical distribution and the phytosociological interpretation were performed from FLORACENE Database, which has about 80 inventories in the state. As a result we obtained the construction of analytical keys, descriptions of family and gender, phytosociologic interpretation based on some data abundance, preparing the distribution map of the species and presentation of a directed glossary. 
Key-words: Combretum duarteanum. Combretum mellifluum. Terminalia actinophylla. Northern and southern savannahs.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Publ. avulsas conserv. ecossistemas, 30:1-43 (fev. 2013)

COSTA, Jorge Luís Paes de Oliveira; VELOSO FILHO, Francisco de Assis; AQUINO, Cláudia Maria Sabóia de; CASTRO, Antonio Alberto Jorge Farias; SILVA, Waldirene Alves Lopes da. A divisão natural das paisagens vegetais do Brasil no escopo dos sistemas nacionais de classificação fitogeográfica (1824-2006). Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n. 30, p. 1-43, fev./2013 (Série: Publicações Prévias). ISSN 1809-0109.
DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n30p1-43.


RESUMO
Este artigo trata dos sistemas de classificação da vegetação no Brasil. Tem por objetivo uma caracterização desses sistemas, com vistas à obtenção de dados que levem ao estabelecimento da evolução na divisão fitogeográfica do país. Em termos metodológicos, o presente estudo compreendeu uma revisão de literatura considerando estudos de referência no tema com levantamento de sistemas nacionais de classificação fitogeográfica e pesquisas em sites e revistas especializadas. A importância na contribuição teórica do presente artigo consiste em promover o conhecimento da divisão natural das paisagens vegetais do Brasil no escopo dos sistemas nacionais de classificação fitogeográfica. A divisão do território brasileiro em compartimentos fitogeográficos é prática antiga entre pesquisadores do ramo, o que explica a diversidade de classificações existentes, fruto, sobretudo, de tendências pessoais, da formação acadêmica dos autores, além do avanço tecnológico e instrumental. Atualmente há um debate importante no campo da classificação vegetal, já que a identificação de unidades fitogeográficas constitui numa prática de suma importância para fins de conservação. Naturalistas como o alemão Carl Philipp Von Martius, e os brasileiros Barbosa Rodrigues e Joaquim Caminhoá, foram pioneiros na classificação da vegetação brasileira produzindo divisões fitogeográficas caracterizadas por generalizações e influência do fator ecológico. Enquanto que para esses pesquisadores a florística vegetal atuou como fator determinante, profissionais geógrafos inovaram ao adotar em seus sistemas o caráter fisionômico das formações vegetais como aspecto principal. Ligados ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Lindalvo Bezerra, Aroldo de Azevedo, Edgar Kuhlmann, Alceo Magnanini e Dora Romariz produziram sistemas fitogeográficos de caráter didático, com influência do fator antrópico, onde a fisionomia vegetal atuou como aspecto determinante. Aproveitando-se do avanço tecnológico, representando a classe dos botânicos, biólogos e agrônomos, Carlos Rizzini, Henrique Veloso, Afrânio Fernandes e George Eiten, introduziram modernas classificações, detalhistas com inúmeras classes e subclasses de formações, com preocupação quanto à universalização da classificação da vegetação brasileira.
Palavras-chave: Biogeografia; Classificação Fitogeográfica; Brasil.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Publ. avulsas conserv. ecossistemas, 29:1-37 (fev. 2012)

CASTRO, Antonio Alberto Jorge Farias; GOMES-FILHO, José Gerardo Ferreira; SOUZA, Rosana Aquino de; ANNUNZIATA, Bruno Barcellos; LEAL, Cledinaldo Borges; RODRIGUES, Eliesé Idalino; SOUSA, Gardene Maria de; GONDOLO, Guilherme Fernandez; PARANHOS, Janete Diane Nogueira; BARROS, José Sidiney; MENDES, Maura Rejane de Araújo; ALENCAR, Márcia Regina de; CASTRO, Nívea Maria Carneiro Farias; SILVA, Paulo Roberto Ramalho; FARIAS, Ruth Raquel Soares de; CAVALCANTE, Vitor Hugo Gomes Lacerda; SOUSA, Samara Raquel de; ROCHA, Wáldima Alves da. Subsídios científicos para a ampliação do Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C): análise da biodiversidade nas áreas a serem incorporadas e entorno. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n. 29, p. 1-37, fev./2012 (Série: Projetos de P&PG). ISSN 1809-0109.
DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n29p1-37.

RESUMO
O Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C) é uma unidade de conservação federal, criada por lei em 1961, e está localizado na porção setentrional do Estado do Piauí, nos municípios de Piracuruca e Brasileira. Estudos anteriores sugerem a necessidade da ampliação do PN7C diante de pressões relacionadas à ocupação humana desordenada de áreas adjacentes ao parque, e ao uso dessas áreas para atividades de pecuária extensiva e práticas de queimada. Esses fatores poderiam colocar em risco a eficiência do Parque na preservação da integridade de populações e comunidades locais e de recursos hídricos importantes presentes em seu entorno. A ampliação proposta prevê o aumento da área do Parque de 6.221,5ha para 10.163,5ha. Apesar disto, existem grandes lacunas no conhecimento atual sobre a biota presente no PN7C e em suas áreas adjacentes, fato que impede uma estimativa detalhada: a) dos riscos oferecidos pelas pressões acima citadas, b) do aumento da representatividade funcional e taxonômica da biota preservada obtida com a ampliação, c) dos benefícios obtidos com a ampliação do parque para a capacidade do parque de sua zona de abafamento de resistir as pressões antrópicas externas. Este artigo apresenta a proposta de um programa de investigação, elaborado por uma equipe de especialistas em diferentes áreas da botânica, zoologia e ecologia, com o intuito de contribuir para a efetividade da ampliação proposta para o PN7C. Os autores acreditam que, através do fornecimento de informações científicas sobre a fauna e flora locais e sobre os processos ecológicos que operam no interior do Parque e em suas áreas adjacentes, este programa ofereceria fortes subsídios à ampliação. Este artigo fornece estratégias operacionais, metodologias de coleta e desenhos amostrais para os seguintes grupos funcionais e taxonômicos a serem estudados: Vegetais, incluindo o estrato arbóreo-arbustivo e o herbáceo-subarbustivo; organismos aquáticos, incluindo peixes, invertebrados bentônicos, zooplâncton e fitoplâncton; anfíbios; répteis; e insetos terrestres. O estudo aqui proposto inclui a realização de levantamentos da biota e investigação de seus padrões de distribuição e abundância, registros georreferenciados e catalogação de espécimes em coleções científicas, estimativas das taxas de endemismo de diferentes grupos taxonômicos, e investigação da influência de variáveis físicas e biológicas sobre a estrutura e funcionamento das comunidades vegetais e animais da região.
Palavras-chave: Parque Nacional; Ampliação de Área; Cerrados do Nordeste; Biodiversidade.

ABSTRACT
The environmental protection area known as Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C) is a conservation reserve established by the Brazilian government in 1961, and is situated on the northern portion of Piauí State, in the municipalities of Piracuruca and Brasileira. Previous studies suggested the need of an enlargement of the reserve's area in order to face pressures related to the irrational human occupation of adjacent areas and use of these areas for activities such as cattle farming and slash-and-burn practices. These factors potentially threaten the effectiveness of the park in preserving the integrity of local populations and communities and the quality of important local water resources. According to this proposal, the total area of the reserve will increase from 6,221.5ha to 10,163.5ha. Nevertheless, there are great knowledge gaps on the resident species in the PN7C and its adjacent areas, which unable a detailed estimate of: a) the risks imposed by the pressures mentioned above, b) the increment of the biological components preserved obtained by an enlargement, and c) the benefits of the enlargement to the capacity of the reserve and its buffer zone in resisting external anthropogenic pressures. This article presents a proposal of an investigation program, designed by a team of specialists on different areas of botany, zoology and ecology, aiming to contribute to the feasibility of the PN7C's proposed enlargement. The authors believe that by providing scientific information on the local fauna and flora and the ecological processes operating within the reserve and adjacent areas, the program would provide strong subsidies for the enlargement. This article provides a framework that includes operational strategies and sampling methodologies and designs for the following taxonomic and functional groups: Plants, including the trees, shrubs, subshrubs and herbs; aquatic organisms, including fishes, benthic invertebrates, zooplankton and phytoplankton; amphibians; reptiles; and terrestrial insects. The study proposed here includes surveying the biological components and investigating the patterns of distribution and abundance of species within the reserve and in its adjacent areas; georeferencing and including specimens in scientific collections; estimating endemism rates of different taxonomic groups; and addressing the role of biological and physical factors on the structure and function of local plant and animal communities.
Keywords: National Park; Expansion Area; Northeast of Savannah; Biodiversity.

Publ. avulsas conserv. ecossistemas, 28:1-25 (jan. 2012)

CASTRO, Antonio Alberto Jorge Farias; CASTRO, Nívea Maria Carneiro Farias; CASTRO, Antonio Sérgio Farias; LEAL, Cledinaldo Borges; MARTINS, Fernando Roberto; SOUSA, Gardene Maria de; MOURA, Iona'i Ossami de; PARANHOS, Janete Diane Nogueira; GALVÍNCIO, Josiclêda Domiciano; VIEIRA, Leandro Tavares; FREITAS, Márcio Antonio Sousa da Rocha; TORRES, Maria Fernanda Abrantes; SILVA, Paulo Roberto Ramalho; FARIAS, Ruth Raquel Soares de; SOUSA, Samara Raquel de; CAVALCANTE, Vitor Hugo Gomes Lacerda; ROCHA, Wáldima Alves da. Alvos de biodiversidade (espécies, ecossistemas e paisagens) nas áreas de influência do Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C). Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n. 28, p. 1-25, jan./2012 (Série: Projetos de P&PG). ISSN 1809-0109.
DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n28p1-25.

RESUMO
A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro e certamente um dos mais alterados pelas atividades humanas nos últimos séculos. No Piauí existem grandes áreas ricas em biodiversidade e, portanto, conhecer e guardar informações a respeito desta diversidade biológica significativa é necessário para a ampliação do conhecimento científico, além de ferramenta importante nas decisões conservacionistas. Entretanto, as áreas naturais estão sendo perdidas em um ritmo muito acelerado levando com elas muitas espécies à extinção, várias das quais ainda desconhecidas. Uma das mais importantes áreas de tensão ecológica, ou de mosaico de ecótonos, localiza-se na região setentrional do Piauí, pertencente ao bioma Caatinga, que abriga vários tipos de vegetação, razão pela qual, em 1998, quando se fizeram as primeiras propostas de áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade do cerrado e pantanal, esta região foi nomeada como Área dos Três Biomas, ainda que o "carrasco" não tenha correspondência com um Bioma próprio, mas como um dos tipos de vegetação "seca" do bioma Caatinga, área esta na qual esta inserido o Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C). A herpetofauna e os insetos do bioma Caatinga, enquanto bons bioindicadores, ainda são pouco estudados e os inventários existentes são em geral relativos a levantamentos faunísticos de pequenas áreas, contudo, é consenso entre esses estudos de que o bioma Caatinga não é homogêneo, comportando-se como um mosaico de várias fitofisionomias, com manchas de Cerrado e Carrasco, mormente em nossa região. Esta heterogeneidade de ambientes reflete diretamente na fauna, resultando na presença de comunidades diferentes. O monitoramento da superfície da terra em longa escala de tempo é necessário para descrever a resposta do ecossistema às variabilidades climáticas e antrópicas. Dentre os biomas, a Caatinga é um dos que menos possui estudos científicos. Desta forma, considera-se que seja importante avaliar o comportamento espectral e a taxa de alteração da cobertura vegetal do PN7C e seu entorno. Essas análises serão efetuadas entre os períodos úmidos e secos, em que existam imagens dos satélites Landsat, NOAA, IKONOS, MODIS e Hyperion disponíveis, e seja possível identificar as variações no comportamento espectral e na fração da cobertura da vegetação, como decorrência de ações de origem antrópica local e regional. A avaliação das condições ambientais é um instrumento fundamental para o processo de planejamento e gestão de áreas protegidas. Assim, é importante discutir o uso e ocupação do solo, que pode alterar tanto a biomassa como a biodiversidade dos ecossistemas. Assim, faz-se necessário realizar inventários florístico-fitossociológicos e faunísticos (répteis, anfíbios e insetos), sempre georreferenciados, nas áreas de entorno do PN7C e em municípios da Área 110; comparar os levantamentos de dentro e de fora do Parque quanto à efetividade/status do posicionamento ecológico (em plantas, o posicionamento fitossociológico) de espécies e populações vegetais e animais comuns; selecionar as espécies endêmicas, ameaçadas e raras, bem como as que apresentam "deficiência de dados", a partir das observações de campo, pesquisa bibliográfica e sondagem junto às comunidades humanas do entorno, para a construção da Lista (Oficial) da Biota Ameaçada com base em critérios da IUCN; oferecer subsídios para a elaboração de estratégias de gerenciamento que possam garantir a preservação, uso e/ou manejo das áreas em questão, inclusive no que diz respeito ao estabelecimento de parcerias com a iniciativa privada no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Os levantamentos fitossociológicos serão feitos com base no MCP e PAFM. O herbário de referência e o FLORACENE serão informatizados e compilados, respectivamente. Para a herpetofauna será realizada uma amostragem para cada área selecionada, com utilização de PLT, PEst, EO, CT e PEsc. Na entomologia serão utilizadas armadilhas luminosas, etanólicas, caça-moscas e pitfall, além de redes entomológicas. Por fim para o mapeamento serão utilizados os "softwares" Arc Gis 9.3, Erdas 9.3. e os que são "livres" e de uso corrente.
Palavras-chave: BIOSETE, Ecótonos Cerrado/Caatinga/Carrasco, Complexo de Campo Maior.